Defesa, Reabilitação e Salvaguarda do Património

Aldeias Históricas de Portugal, um “instrumento de defesa do património”


Foi hoje apresentada publicamente a AHP – Aldeias Históricas de Portugal, uma associação de defesa, salvaguarda de revivificação do património em todas as suas vertentes, criada em Novembro de 2010.

“Esta não é apenas mais uma associação. Queremos ser uma Organização Não Governamental que realmente funcione e que defenda o património português“, garante a vice-presidente Isabel Cabral. Para a responsável, algumas das características da associação marcam a diferença: “Queremos patronos que nos dêem um apoio incondicional mas sem interferirem na associação. Além disso, queremos estabelecer sinergias. Não estamos a trabalhar para nós mas sim por Portugal”.

Tendo entre os principais patronos D. Duarte de Bragança, a Universidade Nova de Lisboa e a Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa, esta associação propõe-se a fazer “uma mudança da mentalidade no empenhamento cívico”, acrescentou Isabel Cabral.

O presidente da Associação, Roman S. von Rupp, nascido na Alemanha, com estudos nos Estados Unidos, escolheu Portugal para viver. “As zonas históricas em Portugal estão a ser esquecidas”, garante, aproveitando para deixar um alerta: “Acreditem no que têm para oferecer. Viajei por todo o mundo e não encontro um melhor sítio para viver que Portugal”.

Para Isabel Cabral, em Portugal falta o conceito de turismo integrado. “Não chega mandar as pessoas visitar os locais sem que os sítios tenham as condições necessárias para receber turistas”, lembrou.

Como próximas actividades, a associação marcou para Abril um congresso nacional com 140 ONG da área do património, para que dessa reunião saia uma carta de princípios “com efeitos multiplicadores”. Está ainda previsto um congresso internacional, que a responsável promete ser um congresso de trabalho, não de conversa”.

por Marta Cerqueira, Publicado em ionline, 27 de Janeiro de 2011
Anúncios

Os comentários estão fechados.